Nunca seremos

Assistir Tropa de Elite 2 me deixou deprimido.

Não porque achei o filme ruim. Muito pelo contrário, ele é muito bom, pau a pau com o primeiro. Talvez seja até melhor, pois ao se aprofundar ainda mais nas entranhas do “sistema”, me mostrou uma realidade maldita que no fundo eu já sabia que existia, mas nunca tinha visto de maneira tão escancarada. E foi justamente isso que me deprimiu.

Não pense que sou ingênuo. Nós sempre soubemos que há corrupção em todas as esferas do poder, que aos que mandam não interessa educar as pessoas, dar moradia decente, equipar a polícia, zelar pelo bem do povo, nada disso. No fundo sabemos que tanto faz o partido que ganha as eleições, vai continuar sempre a mesma coisa. Talvez os meios mudem, mas o fim será sempre o mesmo: manter-se lá em cima, não importa como. Sempre soubemos disso. O que o filme faz é mostrar em detalhes como isso tudo se desenrola, como sempre haverá gente disposta a se aproveitar do sistema até as últimas consequências e como estamos vulneráveis a este inevitável cenário. E ao nos mostrar tudo isso acaba com qualquer esperança que alguém por acaso ainda possa ter. Não, o país não vai melhorar, não adianta correr, não adianta reclamar, não adianta desabafar no seu blog. Não há solução.

Quebrou-se o tráfico, surgiram as milícias. Mata-se uma mosca, surge outra. O problema não são as moscas, e sim a merda. Enquanto ninguém limpá-la, vão surgir mais moscas. Não adianta aumentar a dose de inseticida, tem que botar uma rolha no cú de quem caga esta merda toda em cima de nós. Só que estes cús estão lá longe, intocáveis, em seus gabinetes cheios de parentes-assessores, usando e abusando do nosso dinheiro, protegidos pela burocracia e corrupção. E eles cagam em cima de nós, incessantemente, sem parar.

Escolas que não ensinam, hospitais que não curam, justiça que não pune, segurança que não protege, infraestrutura que não suporta, nada funciona e tudo tem um motivo para ser assim. Não há interesse em mudar, e os poucos que querem reverter este quadro estão sozinhos e não conseguem ir muito longe (alguns são desmoralizados, outros levam tiro pelas costas). Quantas vezes você não ouviu aquela história de que existem políticos honestos, mas são tão poucos e sua influência é tão pequena que nada podem fazer? Agora tivemos a triste confirmação. A merda que jogam em cima de nós é muito maior do que as pás que temos para limpá-la.

A conclusão do narrador, triste e real – ou triste porque real – tendo como fundo um vôo sobre Brasília, é a lápide de pedra posta sobre nós, é o golpe de misericórdia que encerra a sequência de socos no estômago que o filme nos dá, é a constatação final, cruel e inevitável de que no fim vai dar tudo errado, o que só faz aumentar a nossa melancolia, nossa miséria, nossa impotência, nossa eterna sina de sermos sempre o país do futuro, mas de um futuro que nunca chega, que nunca chegará.

A depressão que tomou conta de mim logo após os créditos surgiu não porque eu já sabia de tudo isso, mas sim porque esta visão foi ampliada, jogada na minha cara sem dó, em uma dimensão maior do que eu poderia supor. Assim como o protagonista, eu não fazia ideia do tamanho do problema. Já tinha lido matérias sobre as milícias, mas nunca nesse nível de detalhe. A corrupção rola solta, a população é usada como massa de manobra, vale até matar qualquer um para garantir mais votos. Eu sempre “soube” dessas coisas, mas meu descontentamento – e consequente distanciamento – com relação à política nunca me fez pensar a fundo nisso tudo. É muito, mas muito pior do que eu imaginava, e olha que eu já era bem pessimista com relação ao Brasil. E se pensarmos que o filme amenizou vários fatos e situações, saber que a realidade é bem pior me deixa ainda mais deprimido.

Talvez a única coisa que nos resta é fazer o que o próprio Nascimento disse: ao invés de se entregar à depressão, se tornou ainda mais forte e determinado. Não que isso vá mudar muita coisa, mas ao menos impedirá alguns suicídios. Afinal, como o próprio filme conclui, vai continuar morrendo muita gente inocente, e os verdadeiros responsáveis vão continuar não dando a mínima.

Brasil, país decente, sério e desenvolvido? Como diria o Bope: “Nunca serão!”

Anúncios

Previsões para a Copa

Assim como os videntes picaretas – ops, redundância – que sempre soltam previsões genéricas do tipo “Uma pessoa famosa vai morrer este ano” e “Fulano deve tomar muito cuidado com pessoas invejosas”, vou aproveitar o clima de loucura e alienação geral em torno da Copa do Mundo e exercitar minha capacidade de premonição.

A imprensa esportiva em geral, e o Galvão Bueno em particular, estarão mais insuportáveis do que nunca. Talvez pelo fato de aparecerem na TV por mais tempo do que o habitual, tendo como consequência a falta de assunto, levando-os a noticiar qualquer coisa, por mais imbecil que seja. Tudo bem, a imprensa já é assim hoje, mas na Copa isso é elevado à décima potência. Mas apenas na seção de esportes, as outras seções são esquecidas, pois nem a explosão de uma bomba atômica no (ou do) Irã ganharia mais destaque do que o close de um pedaço de grama na trava da chuteira do atacante da Costa do Marfim. 90% do jornal é sobre a Copa, todo o resto é resumido no espaço restante.

Aliás, a mídia é aquela que se torna mais insuportável durante a Copa. Há mais de 20 anos que as reportagens são as mesmas, resumindo-se a 3 tipos igualmente chatos:

  • Imagens das ruas vazias no horário do jogo da seleção, narração do repórter dizendo que as ruas estão vazias por causa do jogo da seleção. Se por acaso tiver algum infeliz na rua, o mesmo é entrevistado. Das 2 uma: ou ele diz que está indo não-sei-onde ver o jogo ou faz alguma pergunta sobre… o jogo.
  • Imagens dos torcedores assistindo ao jogo num telão instalado em uma praça qualquer de uma cidade qualquer. A edição criativa mostra os melhores momentos da partida alternados com a respectiva reação dos torcedores, acompanhados da mais criativa ainda narração do repórter. Palavras como “sufoco” e “alívio” são frequentemente usadas quando o Brasil está sendo atacado ou faz um gol, respectivamente. Geralmente escolhe-se um torcedor mais exagerado para aparecer com mais frequencia, principalmente na hora do gol. No final, este mesmo torcedor é entrevistado e diz algo como “É Brasil!” ou qualquer patriotada do tipo.
  • Família do jogador reunida em casa, geralmente na favela onde o jogador nasceu, cresceu e aprendeu a jogar. O jogador escolhido pode ser o que se destacou na última partida ou o craque mais óbvio do momento. O pai diz que ele sempre sonhou estar na seleção, a mãe diz que era um garoto levado, algum tio/primo/irmão/amigo de infância faz outro comentário irrelevante. Mais uma vez a edição criativa alterna os depoimentos com fotos da infância do jogador – de preferência com uma bola de futebol – e lances inesquecíveis que ninguém lembrava.

Quando o repórter está realmente criativo e quer ousar pra valer, ele faz uma mistura dos 3 tipos acima descritos, como por exemplo a família do jogador assistindo ao jogo, tendo reações exageradas e saindo para comemorar na rua vazia. Dada a qualidade da nossa imprensa esportiva, não dá para esperar muito mais do que isso.

Claro, se Dunga ganhar a Copa, a imprensa vai babar ovo e lamber o saco dele, vai elogiar a coerência de não convocar os jogadores que todo mundo pediu e transformá-lo em herói nacional. Mas se ele perder, a mesma imprensa vai xingar, descer o cacete, humilhar e destruir, vai criticar a teimosia de não ter convocado os jogadores que todo mundo pediu e só ele não queria escutar, vai transformá-lo em vilão nacional. A mídia não precisa ser coerente, ela pode mudar de opinião ao sabor do vento e dos fatos, ela escreve o que for conveniente, pois afinal é preciso vender.

Além da mídia enlouquecida, teremos os torcedores enlouquecidos. Pessoas que só são patriotas a cada 4 anos surgirão aos montes, pensei até em mandar esse gráfico para o graphjam:

O patriotismo de conveniência do brasileiro

"Sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor, com muita hipocrisia"

Eu sempre achei estranho esse negócio de só ser patriota quando tem Copa do mundo, mas se pensarmos bem, até que faz sentido. Acompanhe:

Vivemos num país de merda, lotado de bandidos de todas as espécies: assaltantes, estupradores, sequestradores, traficantes, políticos corruptos – duas redundâncias no mesmo texto, assim não dá – que infelizmente predominam, mandam e comandam. Quem prefere ser otário honesto, é massacrado por impostos de mão única (eles só vão, nunca voltam), que comem mais de 4 meses do nosso trabalho todo ano, que vão parar no bolso dos filhos da puta que foram eleitos por este povo ignorante. Um desses malditos em particular resolveu fazer acordos nucleares com países que só ele acredita serem pacíficos e bonzinhos. Eu estou só esperando até surgirem os primeiros embargos e sanções econômicas, e se hoje reclamamos que o Brasil tem o iPod mais caro do mundo, pode ser que amanhã não tenhamos nenhum.

Vivemos num país desgraçado, onde todos querem se dar bem e ninguém pensa no coletivo (exceto, é claro, no treino coletivo da seleção). Os guardanapos do MacDonald’s deixaram de ser à vontade porque a galera abusava, pegava 20 mas só usava 2. Hoje temos que nos contentar com 1 folhinha vagabunda miguelada. Em Berlim tem um restaurante onde você escolhe quanto quer pagar (que nem as Casas Bahia, só que de verdade) e adivinha, os brasileiros são os que mais dão problema. Em vários países tem avisos alertando contra a presença de brasileiros, que são sinônimo de problema. Nossa má reputação nos precede, somos um povinho desgraçado vivendo num país idem.

Ou seja, tirando o futebol, nada, absolutamente NADA que existe nesse país tem alguma chance de nos dar orgulho de ter nascido aqui. O futebol é a única coisa que tem alguma chance de dar algum orgulho, de acender, nem que seja só um pouquinho, a chama do patriotismo, mesmo que seja esse pseudo-patriotismo capenga que temos. Todo o resto só nos dá vergonha, não dá para bater no peito e dizer que somos campeões mundiais em pedidos de retirada de conteúdo do google, nem que somos foda pra caralho porque temos uma das piores distribuições de renda do mundo.

Por todo o resto do país ser uma merda, a única coisa que às vezes nos dá alegria é o futebol. Não é o ideal em termos de patriotismo, sequer em termos de país, mas infelizmente é o que temos. Só nos resta torcer, e por algo que nem vai mudar nossas vidas.

Pelo menos vou poder me gabar de ter acertado todas as previsões. Infelizmente.

Lá vem o maldito leão

E novamente vem aí o maldito imposto de renda. Assim como todos os outros impostos, tem um valor maior do que deveria, não sonegamos porque somos honestos (ou otários) demais, não sabemos como toda essa grana é usada – na verdade sabemos – e por mais que eu reclame não vai mudar nada.

Só que o imposto de renda é mais irritante ainda porque sou eu que tenho que calcular. Imagina, eu chego pra você e digo que você tem que me pagar. Digo que é obrigado por lei, senão você se fode bonito. E digo que é você que vai ter que se virar para adivinhar o valor, já que eu não vou te dizer. E se você for burro demais para calcular o valor correto, sinto muito, vou te colocar em uma listinha especial e você vai ter que rebolar para sair dela.

Nem venham me dizer que o governo não tem como calcular. Porra, todo mês ele já me fode capando meu salário direto da fonte, eu nem chego a ver aquele dinheiro. O banco já me manda um informe dizendo tudo que eu tenho que declarar. Se ele pode mandar para mim, por que não pode mandar para a Receita Federal e ela que se vire para calcular? Caralho, a carta do banco e o holerite já tem o CNPJ da fonte pagadora e os valores, manda tudo pra Receita e ela que faça as contas, porra! Afinal, é interesse dela receber, não?

Os bancos e empresas já poderiam mandar todo mês, assim a Receita poderia ir processando ao longo do ano, ao invés de concentrar tudo em apenas 2 meses e promover a correria geral, site congestionado e tantos outros problemas que surgem nesta época. Se o sujeito compra um carro ou uma casa, é obrigado a registrar. Bom, por que a prefeitura e o Detran já não avisam a Receita? Despesas médicas poderiam ser avisadas pelas operadoras de planos de saúde. Escolas poderiam enviar os dados de mensalidade e por aí vai. E para as coisas que não se encaixam nestas categorias (que nem sei quais são) poderia ter a opção da própria pessoa avisar a Receita (via formulário, internet, postos de atendimento, qualquer coisa) mas que isso também pudesse ser feito o ano todo.

Será possível que não dá pra fazer isso? Porque declarar essa merda é um saco, já que além do desgosto de ter que pagar algo que eu sei que não vai ter retorno, tem a perda de tempo de calcular o valor e o medo de ter preenchido algo errado e entrar na lista negra.

E o leão, que não tem nada a ver com a história, foi escolhido como símbolo deste maldito imposto. Mas até que faz sentido. Ele morde para sobreviver, e as presas que se fodam. O governo também. A única diferença é que uma hora o leão sacia a fome e para.

Mais uma pequena evidência da idiotização da sociedade

Hoje fui jantar com a namorada. Total: R$ 32,60. Como bom casal moderno que somos, decidimos dividir a conta. Cada um com seu cartão de débito em mãos, perguntamos para a moça do caixa: “Divide por 2?”. A resposta: “Estou sem calculadora”.

Para tudo.

Como assim? Ela não quis fazer uma porcaria de divisão por 2, alegando que não tinha calculadora? Tivemos que fazer a conta de cabeça na hora – o que convenhamos não é nenhum bicho de sete cabeças – senão não conseguiríamos dividir a conta. Minto, minha namorada fez a conta e informou a moça do caixa. Eu estava paralisado em semi-estado de choque, custando a acreditar no que tinha acabado de ouvir.

O fato pode parecer bobo e corriqueiro, mas para mim evidencia a situação ridícula que a educação atingiu neste país. É mais fácil se apoiar na muleta de uma calculadora do que ensinar a fazer continha de dividir. Se o cara não tiver a maldita calculadora por perto, não consegue nem somar 1 + 1. No caso supracitado, a mulher nem ao menos se esforçou para fazer a conta, ou sequer procurou um papel e caneta para tal. Ela respondeu de bate-pronto, como se aquilo fosse algo impossível de se fazer sem sua querida muleta de calcular.

Não estou dizendo para queimar todas as calculadoras em praça pública. Só acho que ela deve ser vista como uma ferramenta que facilita, mas que não seja tão essencial a ponto de ficarmos sem ação na sua ausência. Se tiver, tudo bem, use. Se não tiver, faça a conta no papel, ou se ela for fácil (como dividir 32,6 por 2, por exemplo) faça de cabeça, mas não venha me dizer que não dá.

Estamos criando um país não só de pessoas burras, mas de pessoas preguiçosas, sem vontade de deixar de ser burro. E o pior de tudo é que toda essa mediocridade é incentivada, quando o correto seria combatê-la.

A cada dia tenho menos esperança neste país.

O Caos sempre existiu

Nunca fui muito fã de aeroportos. Quando pequeno só fui no aeroporto de Bauru para ver a Esquadrilha da Fumaça (desses sim eu era fã). Mas eu não era aficcionado por aviões, nem queria ser piloto. E acredito ser exceção, pois pelas minhas estatísticas pessoais e portanto não confiáveis (mais conhecidas como “achômetro”), quase toda criança já quis ser piloto de avião. Não que eu odiasse aeronaves. Tive um jatinho de brinquedo (devia ser do Comandos em Ação, febre da época), e gostava de brincar com ele. Joguei muito Super Trunfo, inclusive o de aviões. Mas o fato dessas brincadeiras envolverem aviões não tinha nada de especial. Era apenas mais um brinquedo, nem melhor, nem pior.

Apesar disso, na primeira vez que fui para o aeroporto de Guarulhos, não resisti à vontade de ir ver os aviões pousando e decolando. Lá tinha – faz tempo que não vejo, mas ainda deve ter – uma parede de vidro pela qual podíamos ver a pista, e dava para ter uma visão perfeita dos aviões subindo e descendo. Após o pouso, o avião se aproximava de nós lentamente e ia ficando cada vez maior. Muito legal. Meu primeiro vôo não foi nesse dia, tinha ido apenas buscar um parente que voltava do Japão. Nesse dia percebi que era uma ótima distração ver os aviões indo e vindo do aeroporto: “Olha, um da JAL! Será que é esse?”

Alguns anos depois (entre 2002 e 2003, não me lembro direito), fiz minha primeira viagem aérea. Pena que não foi um passeio. Embarquei na ponte-aérea, o ridículo-de-tão-rápido trajeto de 40 minutos – de vôo, porque na verdade demora bem mais – entre São Paulo e Rio. Apesar da experiência de voar pela primeira vez – que nem é tão fascinante assim, como algumas pessoas costumam dizer – o que me marcou mesmo foi a desorganização. Achei incrível que nenhum vôo conseguia sair no horário. Pior, muitos atrasavam horas. Até a presente data eu só tinha viajado de ônibus, e na rodoviária os atrasos eram raros. E quando ocorriam, nunca duravam mais do que 30 minutos. Pensei que aviões, por serem mais caros, avançados e modernos, fossem mais pontuais. Quanta ingenuidade.

Foi a partir daí que eu passei a detestar aeroportos. Nunca – nunca mesmo – consegui embarcar no horário, mesmo chegando duas horas antes para fazer o maldito check-in (um procedimento burocrático ridículo para o qual já deveriam ter pensado em uma alternativa menos trabalhosa) e esperando o horário do vôo, apenas para ser informado que o mesmo vai atrasar em algumas horas. E olha que todos os meus vôos foram antes do acidente da Gol, quando ainda não existia todo esse caos aéreo.

Pois quer saber? Eu acho que existia sim. Podia ser em uma escala bem menor que a atual, e sem uma cobertura maciça da mídia, mas de certa forma existia. Desde sempre – pelo menos, desde que voei pela primeira vez – os vôos atrasam, alguns de forma absurda. Já fiquei horas perambulando pelo aeroporto esperando um vôo sem previsão de saída. Não aguentava mais ficar de pé – não tinha mais lugar para sentar, dada a quantidade de gente esperando por seus vôos, também atrasados – nem ficar andando pelo aeroporto. Já havia lido todas as revistas que tinha e não estava disposto a comprar mais – se eu tivesse feito isso, ficaria sem dinheiro, dada a demora daquele maldito vôo. E isso foi bem antes dessa confusão toda de Anac, fechamento do aeroporto, etc etc etc. Hoje deve estar pior.

Ainda bem que não viajo de avião com frequência. Pode ser o meio estatisticamente mais seguro, mais rápido e mais moderno, mas para mim também é o mais estressante, mais trabalhoso (na rodoviária não tem check-in, você simplesmente chega e sobe no ônibus) e mais desorganizado (overbook deveria ser proibido, e o valor da passagem ressarcido de forma proporcional ao atraso, algo como 50% do valor por hora de atraso).

E minha bagagem nunca extraviou na rodoviária.

Futebol: a gloriosa paixão nacional

De uma forma geral, gosto de assistir esportes. Desde os mais “comuns” como futebol, vôlei, basquete e tênis até aqueles que só assisto a cada quatro anos, como ginástica olímpica, saltos ornamentais e atletismo (vai dizer que esses últimos não passam só quando tem olimpíada). E na minha opinião, dentre esses esportes, futebol é sem dúvida o mais desleal de todos.

Em nenhum outro esporte se vê tanto desrespeito, tanto pelas regras quanto pelas pessoas. Jogadores reclamando com o juiz o tempo todo, questionando cada marcação, disparando ofensas a ele (e à mãe dele) , querendo praticamente apitar o jogo. Só no futebol vemos esse tipo de coisa. Não quer dizer que jogadores de vôlei, por exemplo, nunca reclamem da arbitragem, mas é raro. Até hoje só vi uma vez um jogo ser parado, e mesmo assim o jogador reclamou de forma educada e sem desrespeitar ninguém. Se fosse um jogador de futebol, provavelmente o faria gritando, xingando, empurrando, apontando o dedo na cara (ou como adoram os comentaristas: “de forma assintosa”) e caso o juiz não concordasse, o jogador faria aquela expressão de indignação, que costuma ser bem exagerada. E claro, ao final do jogo, reclamaria da arbitragem para toda a imprensa.

Mas o maior desrespeito é pelas regras. No futebol, muitos são dissimulados, vulgo malandros. É só fazer uma falta que imediatamente o jogador levanta os braços dizendo que não foi nada. Afinal, sempre existe a chance do juiz não ter visto direito o lance e a falta passar batida. O mesmo acontece em lances em que, logo após uma dividida, a bola vai para fora. Muitos desses lances são difíceis porque os jogadores tocam na bola quase ao mesmo tempo, e não é raro ver os dois jogadores envolvidos no lance levantarem os braços. Curioso como esse gesto de erguer os braços é frequente em uma partida. Parece até que a marcação de lances a favor de um time não seja em função do que aconteceu, mas sim de acordo com a capacidade de dissimulação e a convicção com a qual um jogador afirma não ter feito a falta. Em outras palavras, leva a melhor quem tem mais cara-de-pau.

Isso me lembra um lance que vi há muito tempo, no qual Renato Gaúcho estava com a bola, em direção à grande área. Ao topar com o zagueiro, ocorre um choque entre eles, e a bola escapa ao seu controle. Renato Gaúcho leva as mãos ao rosto, inclina a cabeça para trás e todos tem a impressão de que está doendo muito. Provavelmente o zagueiro o acertou, num gesto desesperado para impedir o gol, certo? Errado! Enquanto Renato Gaúcho se contorcia e caprichava na simulação de sua dor, ele percebe que a bola não escapou tanto assim, e que se ele corresse ainda conseguiria alcançá-la, ficando na cara do gol. Ocorre então o “milagre”: o jogador esquece a dor no rosto e dispara em direção a bola. Será que a vontade de fazer o gol era tanta que foi capaz de superar toda a dor? Não creio. A primeira coisa que um jogador faz quando sente dor em qualquer parte do corpo é parar e pedir que o juiz faça o mesmo com o jogo.

Mas isso não seria problema se fosse apenas um caso isolado. Infelizmente, a dissimulação é uma coisa que se vê o tempo todo no futebol. Jogadores que simulam faltas existem aos montes. Dá-se a impressão de que faz parte das regras – e até mesmo da estratégia – se jogar de repente, geralmente quando se perde a bola e as chances de recuperá-la são mínimas. E não contentes em se jogar no chão, alguns incrementam a simulação rolando, gritando e caprichando nas expressões de dor. Sempre existe a chance do juiz acreditar, e na dúvida, parece que o melhor é sempre simular. Mas não para por aí: muitos ainda ficam bravos quando a arbitragem não acredita e começam a se portar da maneira descrita no segundo parágrafo.

Outra coisa que faz com que eu tenha essa imagem de deslealdade com relação ao futebol é a catimba. Um caso clássico é quando um jogador faz uma falta e fica com a posse de bola. Em vez de devolvê-la logo para que a partida continue, ele prefere seguir o manual da catimba: pega a bola, anda alguns passos na direção oposta ao lugar em que será cobrada a falta e só depois devolve a bola. Só que ao invés de fazê-lo dando um chute rasteiro ou a meia-altura (o que seria o esperado de um jogador de futebol), ele prefere jogar a bola bem alto, e ela nem sempre cai no lugar exato onde o árbitro se encontra.

Isso é algo que não entendo. O que se ganha com isso? Alguns segundos, talvez, se o árbitro não levar isso em conta na hora de dar os acréscimos. E mesmo que não leve, não justifica essa enrolação toda. No vôlei a bola é reposta imediatamente. No basquete os jogadores devolvem a bola ao árbitro sem fazer cera. Tudo bem, podem existir exceções, mas esse é o ponto: são exceções. Já no futebol, a catimba é regra. Faz parte da “cultura” do esporte. O jogador malandro é aplaudido por sua torcida, embora seja odiado pelas rivais. O mais engraçado é que é pelo mesmo motivo. É só ver o que acontece quando um jogador faz, por exemplo, um gol com a mão. Todos os adversários vão reclamar e xingá-lo de nomes impróprios para este e qualquer horário, mas seus torcedores vão glorificá-lo. Se você discorda, vai dizer que não achou o máximo quando Tulio dominou a bola com o braço e fez um gol na Argentina? Agora pense no que diríamos se um argentino fizesse um gol parecido na seleção. Os ingleses devem dizer coisas assim de Maradona até hoje.

Entre outras formas de catimba, temos também a demora para os gandulas reporem a bola (alguém duvida que não rola uma caixinha para eles?) ou o oposto, quando a vontade de repor é tanta que aparecem duas bolas no campo. Ou as situações em que um jogador, após sofrer uma falta, finge que está sentindo muita dor, para que o atendimento médico entre e essa pausa dê uma esfriada no jogo. E há tantas outras que fariam esse post virar um livro.

E apesar de todos esses problemas, o futebol é o esporte nacional. Ou talvez seja justamente por causa deles. Toda essa malandragem sempre foi típica do brasileiro. Darwin nos visitou no século 19 e sua impressão não foi lá muito boa (veja os últimos parágrafos, após o sub-título “Horrorizado”). Não quero dizer que fomos nós que inventamos a catimba (muitos dirão que foram os argentinos), nem que somos o único país onde isso acontece, mas que ela faz parte do nosso futebol, isso não dá para negar.

Será essa a razão do futebol ser tão popular? Será que nós, (in)conscientemente, nos identificamos com aqueles jogadores que usam toda sua malandragem e artifícios diversos – como a dissimulação – para levar vantagem em todos os lances, fingindo que qualquer problema ocorrido não é com eles (o gesto de erguer os dois braços), atrapalhando os outros de forma desleal (a famigerada catimba) e criticando os adversários por fazerem o mesmo? Sim, o brasileiro segue com rigor a Lei de Gérson (como seríamos melhores se seguíssemos outras leis que não essa). Critica os políticos por serem corruptos e ladrões, mas se estivesse no lugar deles, não hesitaria em fazer o mesmo.

Talvez os vícios e trapaças do futebol sejam apenas um reflexo de nós mesmos. O chamado “esporte bretão” caiu no gosto do brasileiro provavelmente por ser um dos poucos que permitem tais transgressões. Tênis e natação, por exemplo, são certinhos demais e as brechas para trapacear são poucas (talvez só com dopping). No futebol temos a impressão de que pode-se passar por cima das regras o tempo todo, pois todo mundo acha normal, já faz parte do jogo. E o torcedor adora. A falta não marcada, o pênalti simulado, o gol impedido, tudo isso sempre tem um gostinho especial. Muitos dizem que sem isso, o jogo não teria graça, faltaria assunto para as discussões do dia seguinte (muitas conversas sobre futebol acabam em discussão). Pois eu digo que sem isso, tanto no jogo quanto no cotidiano, a vida e o esporte seriam bem melhores.

Atualização (17/03/2008): Outro fator que contribui para a deslealdade no futebol é que talvez não valha a pena ser honesto. Infelizmente.