Economia, onde?

Todo ano é o mesmo papo: “Com o horário de verão o Brasil vai economizar X milhões de reais”.

Ok, não duvido. A idéia de termos luz natural durante mais tempo etc e tal até que faz sentido. O que não faz sentido é, na mesma época, gastarmos milhões – talvez os mesmos que seriam economizados – com decoração de natal. Milhares de luzes piscantes cobrindo prédios, árvores, viadutos, monumentos, fachadas de casas e lojas, bonecos gigantes que se mexem, enfeites de 10 metros de altura, enfim, um desperdício fenomenal de energia elétrica. Só a decoração de um único shopping deve gastar mais do que o chuveiro de todos os seus visitantes juntos. Ora, o horário de verão foi feito realmente para economizar ou para compensar os gastos – excessivos, diga-se de passagem – com as luzes natalinas? Depois, quando ouvem falar em apagão, todo mundo se apavora e põe a culpa no governo (que também é culpado, mas não é o único).

“Ah, mas a decoração de natal é tão bonita!”, dirão as pessoas mais Pollyanas. Foda-se, se por causa dela tivermos um racionamento de energia, eu prefiro que a cidade fique feia – ou que fique como ela é durante os outros 11 meses do ano, fato do qual ninguém reclama – mas que economizemos agora para não se fuder depois. Assim talvez nem precisássemos do horário de verão, já que este é um grande estorvo, pelo menos para mim, que trabalho com programação.